“Converso com Deus todos os dias”, diz Octavia Spencer

Atriz vencedora do Oscar, que está no Rio, interpreta o Todo-Poderoso em 'A cabana'


"Converso com Deus todos os dias", diz Octavia Spencer

A atriz americana Octavia Spencer está no Rio para divulgar seu novo longa, “A cabana”. Ela afirmou “conversar com Deus todos os dias”. O hábito de orar está ajudando a artista vencedora do Oscar por “Histórias cruzadas” (2011) que agora interpreta o Todo-Poderoso no filme de Stuart Hazeldine.

Octavia inicia seus dias realizando uma oração. “É uma caminhada diferente quando você encarna Deus, mas isso definitivamente influenciou minha interpretação. Eu me considero filha de Deus, mas estou a serviço do papel”, comentou em entrevista coletiva nesta segunda-feira (27).



O filme “A cabana”, foi produzido baseando-se no best-seller do canadense William P Young. Deus se apresenta para Mack (Sam Worthington, de “Avatar”) na forma de uma dona de casa, ou melhor, dona de uma cabana, onde ocorre o encontro.

Nessa interação, Mack tem a oportunidade de curar a maior ferida emocional de sua vida, aberta após a morte de sua filha, sequestrada por um assassino anos antes.

Ele também aproveita para fazer as perguntas que a maioria das pessoas provavelmente já se fez: se Deus existe, por que ele permitiria uma tragédia tão imensa acontecer? Por que Deus não impediu esse e outros tantos assassinatos? Deus é bom, afinal?



Fortemente religiosa, a mensagem do longa tenta reforçar, a todo momento, a importância do perdão e da cura espiritual.

Octavia admitiu que durante as gravações se libertou de questões pessoais. “Foi uma espécie de catarse. Este filme me ajudou nesse sentido, mas minha personalidade permaneceu a mesma: sempre fui o tipo de pessoa que trata as outras como eu gostaria de ser tratada”, comentou a atriz.



Participação brasileira no filme

Entre o elenco está a atriz Alice Braga, que interpreta a Sabedoria, uma entidade que ensina ao protagonista o valor de não julgar precipitadamente os outros seres humanos.

A escalação de uma brasileira não é sem propósito: Jesus e o Espírito Santo são vividos por um israelense e uma japonesa, respectivamente. A mensagem que o filme procura passar é: Deus está presente em todos nós.

“Não contracenei com a Alice Braga, mas sou fã dela. Acho que Deus criou todos à sua imagem. Há negros, latinos e asiáticos no filme. Essas diferenças não afetam o cristianismo. É apenas uma forma de Deus se apresentar a nós. Não tem nada a ver com Deus ser negro ou de alguma etnia”, encerrou Octavia.

Assista ao trailer:




Deixe seu comentário!